Nós estivemos na Brasil Game Cup 2017!

A cidade do Rio de Janeiro recebeu no último fim de semana, a Brasil Game Cup 2017, no Centro de Convenções SulAmérica. Desde que a Brasil Game Show, maior feira de games da América Latina, mudou-se em 2013 para São Paulo, a cidade ficou “órfã” de um grande evento. A Brasil Game Cup (BGC RIO), que era originalmente um estande de disputas de campeonatos da BGS, agora ganhou uma edição extra, tornando-se uma extensão da tradicional feira.  Mais focada nos e-sports, a Brasil Game Cup dá aos cariocas o que se propõe a fazer: um evento de menor porte comparada a BGS: diversão, entretenimento e as atualidades do mundo dos games. Em todos os dias foi possível transitar com tranquilidade nos estandes e na praça de alimentação, com boa variedade de empresas, como Bob’s, Rei do Mate, Kibon, Pizza al Taglio, entre outras.

Uma novidade especial na feira foram os estandes dos clubes de futebol do Rio. Botafogo, Fluminense e Vasco da Gama levaram para a feira camisas oficiais, e brindes diversos. Só ficaram faltando os estandes do Flamengo, apesar do esforço do organizador Marcelo Tavares, e do America (clube do coração desse que vos escreve). Jogadores do elenco profissional dos três clubes, desafiaram torcedores em partidas de FIFA 17: Dudu Cearense e Luis Ricardo (Botafogo); Matheus, Richarlison e Douglas (Fluminense), Evander e Bruno Gallo (Vasco).

Parte do acervo de videogames do organizador do evento, Marcelo Tavares, estavam lá, na tradicional exposição “A Evolução do Videogame”, em número maior que visto na BGS em São Paulo ano passado. Outro setor que voltou com força em comparação com a BGS foi a Arena Arcade (ou Arena Free Play), ponto de parada obrigatório para os gamers. Apesar de cerca de 50 arcades, somente uma delas era de Street Fighter: e era a versão SFII Champion Edition. No primeiro dia de feira, um pequeno campeonato retrô de Street Fighter foi organizado. A esmagadora maioria das máquinas rodavam The King of Fighters, quase todas as versões da série. A falta de outros títulos da série Street Fighter e uma supremacia de KOF foi opção da empresa Taicorama, responsável pelas máquinas. Era possível também ver Tekken, World Heroes e até Ehrgeiz. Nada de Marvel vs Capcom, Mortal Kombat, Killer Instinct e outras séries de luta famosas. Fora jogos de luta, encontramos Cadillacs and Dinosaurs, Metal Slug e Super Sidekicks.

Outros destaques da feira foram a área “Drone Racing”, onde visitantes puderam acompanhar competições conhecer modelos de drone diversos. O Brasil Game Jam, é uma espécie de “Big Brother”, onde equipes confinadas tem o objetivo de desenvolver um jogo em até 48 horas. Na área indie, destinada para quem curte jogos independentes, expositores mostram seus projetos ao público. Streamers, youtubers e atletas de eSports famosos poderiam ser tietados no espaço Meet & Greet. As apresentadoras Nyvi Estephan e Kenya Sommerfeld, Octávio Neto (narrador e apresentador do Esporte Interativo), Rafifa (jogador profissional de FIFA do Paris Saint Germain/França), entre outros marcaram presença.

E os cosplayers? Sim, claro que eles estavam lá! Inclusive a BGC promoveu concursos para eles se apresentarem. Nós procuramos, evidentemente, os relacionados ao universo Street Fighter, mas só encontramos Ge Alves (vestida de Sakura), Luna Lunardi (Morrigan, de Darkstalkers), e a nossa queridíssima Thaís Yuki (vestida de Chun-Li e de Comandante Shepard, da série Mass Effect). Yuki, a Chun-Li oficial do Brasil, foi jurada nos concursos de cosplay, e também marcou presença no tradicional estante da Saraiva, onde tirou fotos com os fãs.

CAMPEONATOS
No palco principal, com apresentação da gamer e youtuber Nyvi Estephan, e transmissão do canal Esporte Interativo, foram disputados diversos campeonatos:
Na sexta-feira, torneios de Overwatch e Heartstone, ambos da Blizzard. Em Overwatch, a equipe Brasil Gaming House derrotou a Keep Gaming por 3-0, na melhor de 5, levando para casa o prêmio de 3 mil reais. Em HearthStone, no Desafio Rio x São Paulo, com vitória da equipe paulista (formada pelos jogadores Coreia, Loxodontes e LegolaS), derrotando a equipe do Rio (formada por Leomane, Lucas CRT e Vinicius vcT) por 5-1.

No sábado, foi a vez de Gang Beasts e DOTA 2. Em Gang Beasts, o ator e comediante Gabriel Totoro (Porta dos Fundos e Canal Totorial) convidou figuras conhecidas do cenário nerd para disputar um campeonato: Matheus Castro (Castro Brothers), Cezar Maracujá (Parafernalha e Canal Ixi) e Gaveta (Canal Anderson Gaveta). Apesar de Maracujá ter vencido a etapa inicial, na segunda etapa, Matheus Castro, venceu a primeira partida e a segunda partida foi decretada como “quem vencer, vence todas”, e Matheus Castro venceu novamente, faturando o torneio amistoso. Nas finais de DOTA 2, que duraram mais de 4 horas, a equipe SG e-sports não deu a menor chance para a equipe Midas Club Elite, fechando em 3-0 a série melhor de 5. A equipe SG, que representará o Brasil no The Kiev Major 2017 – o mundial da categoria; na Ucrânia, recebeu a premiação de 3 mil reais. Danylo “KINGRD” Nascimento explicou o resultado: “Nós tivemos que ter um desempenho muito maior para ganhar essa série do que esperávamos. Parabenizo meu time, que jogou o DOTA básico e espero continuar assim para a Major. As vitórias que a Midas obteve sobre nós foram porque eles continuaram evoluíram, estudaram a gente, e nós tivemos uma decaída. Por isso, a gente teve um tempo para estudar para a BGS para jogar contra eles”, disse, pedindo a torcida brasileira para a Major.

Domingo, último dia da BGC, terminando em grande estilo: as finais de Counter-Strike: Global Offensive (CS: GO), entre Ilha da Macacada (IDM) e Keyd Stars. A plateia estava lotada para ver a vitória da IDM, desbancando o favoritismo da equipe Keyd Stars, por 3-2 (rounds: 8-16, 16-5, 16-9, 14-16 e 16-13) na melhor de 5, embate que durou cerca de 5 horas. O ponto alto foi a virada espetacular da Keyd Stars, no quarto mapa: após estar perdendo por 13-6, conseguiu fechar 16-14, ou seja, no último round. A Ilha da Macacada levou para casa 17 mil reais, além do troféu Ralph Baer.

E assim terminou, de forma apoteótica, a volta de “parte” da BGS ao Rio de Janeiro. Ficamos na torcida para que a Brasil Game Cup se consolide assim como seu evento-mãe. A próxima parada agora é em São Paulo, em outubro, no evento de 10 anos da Brasil Game Show.

Pontos Fortes

  • Recepção (Excelente tratamento do staff e suporte – todos os visitante recebiam um mapa geral do evento assim que chegavam)
  • Arena Esport (O principal foco do campeonato foi extremamente bem trabalhado. Com apresentação luxuosa de luzes, tela grande e efeitos especiais no final do evento)
  • Locomoção (o espaço comportou muito bem todos os visitantes sem estarem todos abarrotados)
  • Premiação (excelente recompensa para todos os participantes que chegaram às etapas graças aos patrocínios)

Pontos Negativos

  • Máquinas de Fliperama  (houveram poucas opções e algumas se encontravam com botões e manete quebradas. Faltou um serviço de manutenção da parte da fornecedora)
  • CAPCOM ( a ausência da empresa deixou Street Fighter V de fora do evento competitivo – apenas presente numa área Freeplay da DELL  e INTEL, disponibilizado na versão PC via laptop)

Por Anderson Castro e Arildo Ricardo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*