Street Fighter V

 

Street Fighter V

Street Fighter V

Desenvolvedor: Capcom
Distribuidor: Capcom
Diretor: Takayuki Nakayama
Produtor: Yoshinori Ono e Koichi Sugiyama
Compositores: Masahiro Aoki, Hideyuki Fukasawa, Keiki Kobayashi, Takatsugu Wakabayashi e Zac Zinger
Plataformas: Sony PlayStation 4 e PC (Windows e Linux)
Data de lançamento: 16 de Fevereiro de 2016
Gênero: Luta, 2 jogadores competitivos
Contexto Histórico
Street Fighter V foi anunciado um dia depois que um vídeo demonstração vazou no YouTube. Esse vídeo saiu na internet dia 5 de dezembro de 2014 e mostrou algumas cenas do jogo com uma batalha de Ryu x Chun-Li. Logo no dia seguinte, durante a PlayStation Experience que aconteceu em Las Vegas a Capcom anunciou o jogo oficialmente. Como já era de se esperar, a exemplo de Super Street Fighter IV, o jogo sairia primeiramente nos consoles. Até a data de lançamento do jogo (16 de fevereiro) nada foi dito ainda sobre uma versão arcade do jogo. Street Fighter V foi anunciado como exclusivo no PlayStation 4 para consoles caseiros além de receber versões para PC (Windows e Linux).
jogabilidade

Logo que iniciamos o jogo pela primeira vez imediatamente jogamos um modo tutorial onde Ryu e Ken se enfrentam ainda no dojo de Gouken, uma espécie de viagem ao passado. O jogador controla Ryu e tem que passar pelas lições do jogo, começando bem do básico como chegar perto do oponente, acertar um golpe fraco ou pular sobre um hadouken.

Uma mecânica nova adicionada em Street Fighter V é o “V-Skill“. O V-Skill é uma habilidade única que cada lutador possui ao apertar os dois botões médios ao mesmo tempo. Exemplo: Quando controlando Ryu, se apertar Chute Médio e Soco Médio ao mesmo tempo aciona-se o V-Skill de Ryu, o Mind’s Eye. Esse movimento é muito similar ao parry de Street Fighter III, anulando o golpe do oponente em uma defesa perfeita, desde que apertados os botões na hora precisa em que for tomar o golpe. Outro elemento novo no jogo é o “V-Trigger“. A exemplo do V-Skill, o V-Trigger também é único para cada personagem. Ou seja, cada um faz uma coisa diferente com o V-Trigger acionado. É possível usar o V-Trigger assim que a barra V gauge (uma barra que fica um pouco acima da barra de Critical Art) estiver completa. Essa barra se enche conforme o seu personagem toma dano, similar ao que ocorria com a barra de “revenge” do Ultra Combo em Street Fighter IV. Exemplificando com Ryu novamente: Ao apertar Soco Forte e Chute Forte ao mesmo tempo (enquanto tiver a barra de V completa), aciona-se o V-Trigger Denjin Renki. Esse movimento adiciona o elemento de raio aos punhos de Ryu.

O golpe mais forte da vez agora é o Critical Art. Critical Arts podem ser desferidos assim que a barra “Critical Gauge” estiver no máximo. Esse comando é similar ao Super Combo, criado lá nos antigamentes em Super Street Fighter II Turbo e também utilizado em Street Fighter IV e suas variantes. É possível acionar golpes especiais “EX” usando um nível da barra do “Critical Gauge“, muito similar ao que acontece em Street Fighter IV.

Uma das “novidades” nos modos de jogo de Street Fighter V é o modo história, que praticamente substituiu o modo modo arcade. Cada personagem tem o seu modo contando suas motivações e o por quê de estarem lutando. Isso ocorre através de ilustrações feitas pelo veterano BENGUS, que faz ilustrações para a Capcom e Street Fighter desde a década de 1990. Por utilizar um estilo mais simplista, tais ilustrações dividiram os fãs da série, alguns ficaram desapontados por não terem ilustrações como as da série Alpha. O modo história é uma ótima adição para ampliar o universo e a experiência de se jogar Street Fighter. No entanto, pouco é esclarecido sobre jogos passados, o que pode desapontar alguns que esperavam respostas de eventos (tais como quem venceu o Street Fighter II). Dito isso, mesmo assim o modo história é uma ótima experiência.

Além desse modo, o clássico Versus está presente. Dois jogadores podem competir localmente com 2 controles nesse modo. O modo “sobrevivência” foi adicionado. O clássico survival mode está presente. Nesso modo o objetivo é derrotar o máximo de oponentes possível. Quando a luta termina, as barras de energia, V e Critical Gauge se mantém para a próxima luta. Adicionalmente, conforme você vai vencendo as lutas vai acumulando pontos que podem ser trocados por vantagens para o próximo combate, tais como: recuperação de energia, maior pontuação, aumentar defesa, aumentar ataque, encher barra V-Gauge entre outras bonificações. Pode-se abster dessa escolha e prosseguir sem fazer nada também. Quanto mais rápido terminar o round e maior a barra de vida no fim da batalha, maior vai ser a bonificação de pontuação.

Temos também os desafios: Periodicamente a Capcom vai lançar algumas tarefas que os jogadores poderão completar em ordem de ganhar pontos para liberar funções no jogo. O modo treino não tem nenhuma mudança em relação ao jogo anterior. Nos modos de jogos online temos as partidas casuais, as partidas rankeadas e o saguão de batalha. Ainda não pudemos testar as funcionalidades online pois o jogo ainda não foi oficialmente lançado mas acreditamos que está bem próximo ao que se conhecia no Ultra Street Fighter IV.

Ainda em funcionalidade online temos o Capcom Fighters Network, onde vai ser possível interagir com outros jogadores, ver replays, acompanhar os ranks e coisas do tipo. Também dentro do menu do jogo temos a “loja”. Vai ser na loja onde poderemos desbloquear cores, comprar roupas e personagens adicionais (usando dinheiro real ou pontos acumulados durante o gameplay). Detalhes de preço e custos de pontos para cada conteúdo extra ainda não foram divulgados.

personagens
Ryu e Chun-Li foram anunciados logo de cara. Ao passar do tempo a Capcom foi liberando os dezesseis personagens que estariam na primeira versão do jogo, na data de lançamento. Em ordem de aparição, os dezesseis personagens presentes no lançamento de Street Fighter V são: Ryu, Chun-Li, Nash, M. Bison, Cammy, Birdie, Ken, Necalli, Vega, Rainbow Mika, Rashid, Karin, Zangief, Laura, Dhalsim e F.A.N.G. Cada lutador possui em torno de 2 a 5 lutas, mas pode se observar que há vários slots onde, de início, só o primeiro é habilitado. Cada batalha vencida libera o próximo slot, correspondente à próxima luta do prólogo. Vale lembrar que esses prólogos não são conclusivos, pois eles são o plano de fundo para o evento principal que é o modo história cinemático que será lançado como uma atualização em junho de 2016, quando alguns personagens DLC já terão sido liberados (provavelmente Alex, Guile e Balrog). A maior revelação desse modo é finalmente poder saber como Nash (que de acordo com os produtores japoneses, agora se chama oficialmente Charlie Nash) “morreu”. Nash parece ter um papel importante na história de SFV na batalha contra M. Bison e a Shadaloo. O prólogo de F.A.N.G também é bem interessante pois vemos como ele se tornou membro da Shadaloo. A Capcom anunciou seis personagens em forma de DLC que irão sendo disponibilizados durante a temporada. São eles: Balrog, Guile, Urien, Ibuki, Juri e Alex.
Durante as cenas do modo história é possível notar a inclusão de alguns personagens novos como:  Helen (uma amiga russa de Nash), Ed (o garoto loiro que Balrog salvou no final de Street Fighter IV) e Azam (amigo e servente de Rashid). Alguns veteranos também aparecem, como alguns dos personagens já confirmados para download no futuro como Guile, Juri e Balrog. Outros conhecidos também dão as caras como: Oro, Sakura, Crimson Viper, Sean, as Dolls com ênfase na Juni, dentre outros. Será que são possíveis personagens para a temporada DLC de 2017? Estamos no aguardo.

Introduzindo os personagens debutantes:

Necalli: Uma espécie de selvagem de cabelo estranho. Diz ser um emissário dos deuses e usa um estilo de luta ultra violento que tira vantagem de sua forma física avantajada. Possui cabelos vermelhos em forma de dreads e em alguns momentos parece estar possuído por uma besta.

Rashid: Irmão mais velho de uma família do oriente médio, Rashid usa “parkour” como estilo de luta e é especialista em resolver quebra-cabeças. Seus golpes são rápidos como o vento, e aliás alguns golpes são de vento, literalmente.

Laura: Laura Matsuda é irmã de Sean Matsuda (Street Fighter III). Seu estilo de luta é o jiu jitsu e ela sua habilidade especial é produzir eletricidade estática. Ainda estamos a aprender o motivo dos brasileiros em Street Fighter usarem eletricidade.

F.A.N.G: Número 2 da organização criminosa Shadaloo, F.A.N.G é um lutador de kempo chinês e entre suas habilidades estão a arte de misturar toxinas. Sua forma física e estilo de jogo aparente muita outra personagem da Capcom, Hsien-Ko (Lei Lei) da série Darkstalkers.

controle
O menu de Street Fighter V está bem bonito e muito intuitivo. É muito prático acessar as opções do menu com essa interface gráfica, não mais em texto puro como era em Ultra Street Fighter IV.
20160215232902_830
Quanto ao controle, jogar no Dual Shock 4 pode não ser a melhor das opções mas felizmente, no caso do PlayStation 4 é possível autenticar controles desenvolvidos para o PlayStation 3 dentro do jogo Street Fighter V. Essa opção se chama “autenticar controles legacy”. Funciona para qualquer controle desenvolvido originalmente para PS3. Estamos usando o gamepad temático do Street Fighter x Tekken e está funcionando maravilhosamente bem. Inclusive testamos dois controles conectados e funcionou perfeitamente, ao contrário do que acontecia nos betas do Street Fighter V, onde apenas conseguíamos usar o controle para o jogador 1.
desenvolvimento

A Capcom contou com ajuda financeira da Sony para desenvolver o Street Fighter V. O jogo foi feito com a Unreal Engine 4 e fora anunciado exclusivamente para o PlayStation 4, no caso dos consoles caseiros. Os usuários do Xbox One ficaram de fora e nada foi cogitado ainda para nenhuma plataforma Nintendo. Quem não for proprietário de um PlayStation 4 ainda vai poder jogar Street Fighter V no PC. Versões para Windows e Linux serão lançadas. Durante o desenvolvimento do jogo a Capcom soltou alguns beta testes que serviram para aprimorar o “net code” do jogo. Quem fez a pré compra do Street Fighter V pôde se aventurar em partidas online durante os muitos betas que tivemos durante o desenvolvimento do jogo. Tudo o que se tinha a fazer era efetuar a pré compra e automaticamente teria acesso aos beta testes quando disponíveis. Isso foi algo jamais visto em outros jogos da franquia. Outra inovação muito bacana foi a possibilidade de se jogar com outra plataforma. Street Fighter V é “cross plataforma”, o que significa que os jogadores que estão no PlayStation 4 irão poder jogar contra os que estão no PC (Windows) e isso é uma bela inovação para o gênero dos jogos de luta.

Autor: Junião & Luiz Fernando
artworks

capas