A Perversão Que Jamais Discutimos

EXTRA! EXTRA!

VEGA É ACUSADO DE UM CRIME GRAVÍSSIMO

Ao fim das lutas em Street Fighter V, quando Vega derrota Karin, percebi só recentemente a frase que ele descreve:

“ -Eu irei saborear o doce gosto de sua integridade imaculada ! ”

Quando eu li, comecei a imaginar coisas e fiquei.. assim.. C-H-O-C-A-D-O ! Esse dado em questão poderia tornar o lutador facilmente uma vítima da problematização. Parece exagero, mas, imagina comigo: e se essa frase fosse direcionada à sua mãe, à sua irmã ou até mesmo à sua namorada?

Enfim, na sociedade em que vivemos, é impossível viver com pensamentos puros e limpos. A linguagem de Street Fighter é, em muitos momentos, inocente – puramente focado na ação e os seus protagonistas são assexuados uns com os outros. Levando em consideração a história japonesa – não existem casais de lutadores jogáveis dentro do game ou algum tipo de intenção que leve a isso (ao menos até agora). Essa história de montar casaizinhos são crias de traduções e adaptações ocidentais (Ryu & Chun-li ou Cammy & Bison por exemplo).

Depois de ficar perplexo com a descrição, achando que seria pesada demais uma frase dessas pra entrar num jogo da série, eu procurei buscar outro tipo de interpretação:  o Vega adora cheirar rosas e às vezes tacar seus espinhos nos adversários (uma característica bem conhecida dos narcisistas de obras japonesas – O Cavaleiro de Virgem, por exemplo, me lembrava muito o Vega). Provavelmente seria uma frase figurada onde estaria associando Karin a uma flor – ele cheiraria o seu aroma puro (mas aí só estaria se referindo à integridade da flor e não ao termo “Imaculada”). Levando em consideração como se ele fosse apenas um poeta, a frase não estaria completa. A frase, levando em consideração o que eu acreditei que a tradução seja, é provavelmente a mais pesada que já li num jogo da série.

Apesar disso, voltei a analisar se a frase tivesse realmente outro sentido figurado que pudesse completar com o último termo (levando em consideração outros significados). Porém, me veio à tona a situação da Karin, que agora transita de sua adolescência para mulher – levando em consideração a cronologia, presumo que ela tenha 23 anos enquanto que em sua estreia nos jogos, com Zero 3, teria 17 – todas as evidências levaria a crer que tudo o que eu estava pensando de ruim sobre a frase de vitória de Vega faz sentido, ou não.

Os diálogos de Street Fighter V ao fim das lutas nos mostram que cada lutador conhece alguma coisa do outro. Mesmo com palavras arrogantes, agressivas ou com algum tipo de abuso, Vega descreve com transparência algo pessoal e íntimo da aristocrata. Sabe-se, agora, que Karin é hoje uma jovem moça rica, dona dos negócios da família e virgem.

Levando em consideração o Modo História Geral, Karin provavelmente mora sozinha em sua mansão sob os cuidados de Shibazaki, o mordomo da mansão, tendo Ibuki e Birdie como os seus empregados e patrocinadora de R. Mika.

Não seria interessante para a lutadora um par, se a sua motivação na história é lutar. É como se estivéssemos dando motivo para a personagem deixar de existir.  É convicto que ela nasceu, envelhecerá e morrerá desta forma. É como uma princesa vivendo num castelo, mas sem aqueles clichês de contos de fadas – da princesa que espera pelo príncipe e sim uma princesa que busca desafios pelas ruas lidando com homens sujos e mal encarados a fim de testar as suas habilidades marciais contra os mais fortes.

Por isso, ela está sempre correndo um grande risco de vida, se levar em consideração que a história se passa num ambiente real – uma bela garota rica e forte perambulando por aí atrás de confusão sem se atentar pelos lobos maus. Karin vive da adrenalina, é esse o seu único e verdadeiro par de casamento. Acredito que todas as garotas merecem o seu direito de escolha para viverem livres.

Ok! Então eu fui tirar essa dúvida que me pinicava de uma vez por todas com amigos mais experientes sobre o que seria a tal frase “Integridade Imaculada”. Integridade, a gente traduz como algo puro; e imaculada realmente se referente à virgindade. Chegamos à mesma conclusão sobre o que seria, e o meu amigo mais velho (também professor) praticamente explicou tudo.

Eu só pus as minhas mãos na boca pra rir de nervoso e então concluir o que estava pensando. Os criadores nunca pouparam palavras grosseiras e provocativas de seus lutadores quando ganham em nenhum jogo mesmo (o engraçado é que tais posturas são repetidas por aqueles jogadores online que querem ser adolescente de fliper a vida toda). Só que desta vez, foi bem pesado, na minha particular opinião. Mas é aquilo que o meu amigo também disse, apenas colocaram palavras bonitinhas para “amenizar” a descrição. Mesmo para a classificação etária do jogo (14 anos) me pareceu pesada a frase, se explorada, pode causar impacto psicológico. Fica a dúvida se isso cabe no limite da censura, já que são tipos de coisas que entram na faixa da classificação 16 anos. Se bem que já definiram Vega como um psicopata – acredito que graças às ótimas adaptações que ajudaram a definir a sua personalidade sombria – um homem que luta escondido por trás da sua máscara – antes era apenas um narcisista e agora um demônio escondido por trás de um corpo de bela aparência.

Apesar de nada ter a ver com a história cronológica dos jogos,  o próprio desenho da TV já havia apresentado pra mim, pela primeira vez, a ideia de que Vega é um estuprador.  A cena que o ninja (com a qualidade também de toureiro na série) surge repentinamente no quarto de Chun-li. A cena aparenta que ele a estava observando. Porém, até pela classificação etária ser livre e pela linguagem que as obras televisivas e cinematográficas adaptadas de jogos de videogame costumavam buscar (para audiências bem jovens e para famílias inteiras poderem assistir juntas e não para audiências mais maduras como as adaptações atuais – os de jogos eram ainda mais ingênuas que as de quadrinhos), a cena não é mostrada. Só tivemos ideia do que aconteceu depois que Chun-li diz a Ken a seguinte frase: “- O Vega me beijou!” e o que poderia acontecer (ou, de repente, ter acontecido) a mais depois disso? Como criança, não se passou pela minha cabeça que aquilo era um estupro – hoje eu sei que ele se aproveitou da vítima constituindo estupro de vulnerável.

Seguindo a ficha oficial de sua personalidade, Vega aprecia coisas belas. Logo, seus diálogos podem variar desde pequenos abusos a total agressividade (se, pra ele, determinado personagem não possui boa aparência, ele diz frases humilhantes a respeito de seu físico). Para Karin, o Vega foi quase um poeta, para disfarçar sua crueldade. Então passo a simular pela minha cabeça, com a derrota de Karin – inconsciente após a batalha – se ele teria se aproveitado da situação nas considerações do crime mencionado.

GAROTAS JOVENS, CUIDADO COM OS BONITINHOS !!!

 

Por: Arildo “Mestre Ryu” Ricardo

One Response to A Perversão Que Jamais Discutimos